Apóstolo Welington de Souza Galdino, nasceu em 18 de julho de 1966 em São Paulo, filho de José Galdino Gomes (in memorian) e Zulmira de Souza Galdino.

Seu chamado iniciou na infância, quando confessou Jesus como Senhor de sua vida aos 7 anos, em uma cruzada evangelística da APEC – Aliança Pró Evangelização das Crianças – ,batizado aos 08 anos, aos 16 anos desfrutou de forma pessoal e definitiva uma experiência com Jesus.

Após a confirmação do Senhor, foi enviado para o seminário ainda adolescente, com apenas 17 anos. Trabalhou como seminarista na Igreja Batista de Dois Carneiros; falecido o pastor titular, como seminarista, assumiu a liderança dos trabalhos da igreja. Ao retornar para São Paulo continuou a trabalhar na obra do Senhor. Formou-se Bacharel em Teologia e consagrado Pastor em 29 de outubro de 1989.

É casado com Varlinda de Abreu Silva Galdino, nascida em 5 de maio de 1967, em São Paulo. Filha de Valdomiro Pereira da Silva e Lindalva de Abreu Silva.

Apóstola Varlinda Galdino é determinada, guerreira, conquistadora, exemplo de mulher sábia, esposa dedicada e mãe amorosa. Tem conquistado, com o seu jeito lindo de ser, gerações de discípulas para o Reino por onde passa. É formada em Teologia ITM – Instituto Teológico Ministerial, Santarém-Pará. Ungida Pastora em abril de 1999, em 2011 foi ungida Apóstola, no Congresso Internacional da Visão Celular, em Manaus, pelos seus mentores Apóstolos Renê e Marita Terra Nova.

Os apóstolos, do MIR-STM, são Modelo de família sacerdotal, pais de Laís de Abreu Galdino, Kaleb de Abreu Galdino, e Maria Aurina Costa Coutinho e Costa, a filha do coração.

Apóstolo Wellington Galdino foi ungido apóstolo em Novembro de 2005, no Congresso Internacional da Visão Celular, em Brasília- DF. Hoje é preletor internacional da Visão Celular no Modelo dos 12, Supervisor da Visão Celular no Estado do Pará e Trindade – GO, e Embaixador da ICEJ/Brasil, na Região Norte. É Presidente do Ministério Internacional da Restauração em Santarém desde 1995, Igreja Apostólica Celular no Modelo dos Doze, igreja com grande expressão dentro da comunidade Santarena, agregando aproximadamente mais de 3.000 mil discípulos. Deus o levantou para anunciar o Evangelho às Nações da terra, cumprindo a Palavra em Jeremias: “… às Nações te dei por profeta.” Ministrou a Palavra na América – Estados Unidos e Bolívia; na Europa – Portugal, Itália-; na Ásia – Israel, Japão -, na África – Dubai. Anunciar o Messias em outro continente é desfrutar de experiência sobrenatural, mas estas só fazem sentido se o trabalho em Santarém se mantiver. “Quero ver resultados onde sou pastor”, destaca o apóstolo.

Ver a transformação de vidas o torna realizado como pastor, segundo ele, mudança de mente não acontece na multidão, mas na particularidade, na intimidade e acrescenta, ainda, querer ver a transformação de vidas na mesma proporção da graça que possuí em pregar, pois muitas vezes a voz chega até as pessoas, mas a transformação não.

Possuidor de um coração generoso, agradecido e humilde, o Apóstolo Wellington reconhece estar aquém do que Deus espera. Sente-se desafiado a novas conquistas, sempre buscando entregar o melhor de si para a obra.

Possuidor de reputação ilibada, em 25 anos de ministério, o Apóstolo Wellington construiu um ministério sem mácula, pautado na integridade do caráter, sem jamais ter se envolvido em escândalos ministerial, doutrinário, financeiro ou ético.

Não está arrependido do que não foi feito, pois o que foi feito é uma grande vitória. Está agradecido sempre, satisfeito nunca. Reconhece que seu chamado será sempre para dar o melhor, embora reconheça que deveria ter realizado muito mais do que realizou.

Apóstolo Wellington revela muito carinho e gratidão ao falar do Apóstolo Renê, descrevendo-o como sendo o líder que Deus usou em sua vida. Segundo ele, enquanto o Apóstolo Renê era apenas seu amigo sua vida era uma, a partir do momento que o convidou para ser o seu pastor sua vida passou a ser diferente. Foi uma chave de Deus que virou na sua vida.

Uma Palavra resume o sentimento do Apóstolo Wellington: “… e vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim e a vida que agora vivo, vivo-a na graça do Filho de Deus.” E acrescenta que, se os seus discípulos decidirem viver dessa forma, está certo de que os encontrará no céu.